800 007 970 (Gratuito para españa)
658 598 996
·WhatsApp·

29 mar 2007

Athlete’s retention of coach’s instruction in volleyball Training

/
Enviado por
/
Comentarios0
/
The aim of the present study is to analyze students' retention of teachers' verbal information during training sessions. The focuses of the study were 2 coaches of children's teams (1 boy's team and 1 girl's team) and 28 athletes
Autor(es): Ana Isabel Lima1, Isabel Mesquita1, António Rosado2, Nuno Januário2
Entidades(es): Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, Portugal1 Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa, Portugal2
Congreso: III Congreso Nacional Ciencias del Deporte
Pontevedra: 29-31 de Marzo de 2007
ISBN: 84-978-84-611-6031-0
Palabras claves: retention of information, volleyball, pratice.

ABSTRACT

The aim of the present study is to analyze students' retention of teachers' verbal information during training sessions. The focuses of the study were 2 coaches of children's teams (1 boy's team and 1 girl's team) and 28 athletes (16 boys and 12 girls). 172 data units were analysed and we used a small interview undertaken shortly after the coach's instructions. The independent variable was gender of athletes and dependent variables (retention, coherency, comprehension and agreement). The coach's verbal information and the information retained by the athletes were audio and video recorded; immediately each feedback emitted by coach the athletes were asked (by interview) to reproduce the information. This procedure was audio-recorded. The results showed that when there was coherence (4,7%) there was a percentage of 95,3 of agreement. We verified a significant association between coherency and comprehension ( ?² = 66,232; Cramer' V=0,621; p=0,00). However between coherency and agreement we found an independent relationship ( ?² =3,128; Cramer' V =0,135; p=0,07). Of the data units analysed only in 39,5%, we verify comprehension and agreement simultaneously. Of the 60,5% units where we did not verify comprehension we did corroborate that there was a percentage of 95,2 of agreement. There is an independent relationship between comprehension and agreement ( ?² =3,367; V Cramer' V=0,140; p=0,06). The number of ideas emitted by male and female teams wasn't statically different. Also, the number of ideas retained by female and male athletes wasn't statically different.

INTRODUÇÃO.

De entre a multiplicidade de processos comunicativos, decorrentes no processo de ensino-aprendizagem, destaca-se a instrução, sendo definida como a informação verbal transmitida pelo treinador orientada para os objectivos e conteúdos de aprendizagem. Os treinadores, quer durante o treino, quer na competição, dispendem um tempo considerável a transmitir ordens, indicações ou informações aos seus atletas evidenciando-se a importância de o realizarem de forma eficaz, sobressaindo a capacidade de serem claros e concisos. De facto, a forma como a instrução é realizada na apresentação das tarefas interfere na interpretação dos atletas em relação ao conteúdo e à organização que as consubstanciam. Não raramente, a configuração que as tarefas assumem afasta-se, substancialmente, dos propósitos iniciais e do conteúdo informativo vinculado, no momento da apresentação (Mesquita, 1998a). Da interacção da informação recebida com a interpretação que o atleta faz da tarefa resulta, em grande medida, a resposta motora, revestindo-se de crucial importância a identificação a qualidade dos processos instrucionais (Mesquita, 1998a). Do ponto de vista do praticante, a recepção das informações tem fundamentalmente uma função de orientação – diferenciação. Tais funções envolvem aspectos construtivos e motivadores, de feedback e/ou reforço e de correcção (Hotz,1999). Segundo Graça (1998), o feedback tem sido estudado na perspectiva do seu fornecimento e dos efeitos observáveis que produz no praticante. Menos preocupação tem havido em estudar como é que o praticante recebe e considera o feedback pedagógico, qual é a sua perspectiva sobre a relevância do feedback pedagógico. Daí que a quantidade e a qualidade da informação transmitida pelo treinador sejam considerandos factores que condicionam o nível de retenção dessa informação por parte dos atletas (Mesquita, 1998a). Todavia, o sistema de tratamento de informação do ser humano tem uma capacidade limitada, o que significa que o atleta não trata, na maior parte dos casos, toda a informação que recebe, mas apenas a que, em cada momento, considera mais relevante (Barroja & Rosado, 2005). Hanke e Forte (1995, cit Graça, 1998) revelam em alguns estudos realizados uma acentuada incongruência entre as avaliações dos treinadores e atletas, de nível nacional, a propósito da detecção do erro principal do movimento e da correcção do erro o que, muito provavelmente, não deixará de afectar a receptividade e a resposta dos atletas ao feedback fornecido pelo treinador. Não raramente se assume que a informação transmitida pelo treinador é recebida fiavelmente pelo praticante e que quando existem falhas na recepção da informação elas serão mais de natureza quantitativa. Esta assunção parte do postulado que o praticante assimila a informação consoante está, mais ou menos, atento ao que o treinador refere; todavia, em rigor a retenção da informação pelo atleta está fortemente dependente das estratégias instrucionais utilizadas pelo treinador. Cunha (2003) refere que o treinador, na transmissão de instrução deve concentrar a informação; reduzir o número de palavras, diminuindo assim as exigências levantadas ao processamento da informação: focalizar a atenção do praticante na informação mais relevante e auxiliar a memória. Em suma, o processamento da informação por parte dos atletas concorre inquestionavelmente para qualificação da actividade motora. O atleta tem de receber a informação, de a compreender, de a assimilar e de a utilizar de modo adequado. Este é um processo activo mediado por variáveis pessoais e contextuais diversas que importa conhecer com profundidade (Barroja, 2005; Barroja e Rosado, 2005). O presente estudo tem por objectivo analisar a retenção, por parte dos atletas, da informação emitida pelo treinador, em situação de treino no Voleibol infanto-juvenil. - Analisar a coerência entre a informação que o treinador transmite e a reprodução verbal dessa informação por parte do atleta. - Analisar a compreensão por parte do atleta acerca da informação que o treinador transmite. - Analisar a concordância por parte do atleta acerca da informação que o treinador transmite, em situação de treino. - Analisar a retenção de informação dos atletas, em função do sexo dos praticantes.

MATERIAL E MÉTODOS.

Caracterização da amostra

Fizeram parte do estudo vinte e oito (n=28) atletas, pertencentes a duas equipas do escalão de infantis de Voleibol, uma feminina (n=12) e outra masculina (n=16) Foram observadas 4 (quatro) sessões de treino, duas na equipa de infantis masculinos e duas na equipa de infantis femininos. Identificaram-se 172 unidades de informação, para posterior avaliação da retenção de informação por parte dos atletas, sendo respectivamente 93 do escalão de infantis masculinos e 70 do escalão de infantis femininos.

Variáveis

A Variável independente foi o Género e as dependentes foram: a Instrução (número de ideais transmitidas pelo treinador) a Retenção (numero de ideias reproduzidas pelo atleta) a Coerência (razão entre o número de ideias transmitidas pelo treinador e o número de ideias retidas pelo atleta); a Compreensão (razão entre o número de ideias transmitidas pelo treinador e o número de ideias compreendidas pelo atleta) e a Concordância (razão entre as instruções do treinador e a aceitação da mesma por parte do atleta).

Procedimentos adoptados na recolha dos dados

Como o estudo decorreu em ambiente de treino, e decorrendo desse facto, uma elevada interferência contextual, optou-se por gravar todas as ocorrências em registo áudio e vídeo. Para tal, foi colocada uma câmara de filmar num ponto fixo do pavilhão, a partir do qual era possível observar todo o campo de treino. Para a captação áudio das intervenções do treinador, foi utilizado um microfone sem fios, enquanto que, para a realização das entrevistas aos atletas, foi utilizado um gravador de mão. Assim, imediatamente após a intervenção do treinador na emissão de feedback, o atleta, a quem foi dirigida a informação, foi entrevistado. Esta entrevista contemplou três questões: • És capaz de repetir, exactamente, o que o treinador te disse? • Podes dizer, por palavras tuas, o que te queria dizer? • Concordas com o que o teu treinador te disse? Os treinadores e atletas foram filmados nos seus ambientes naturais de treino, num total de quatro sessões observadas. Previamente, os treinadores foram informados genericamente dos objectivos gerais do nosso estudo e da metodologia de recolha dos dados, assegurando a confidencialidade e anonimato dos mesmos. Os procedimentos adoptados pretenderam assegurar por parte dos treinadores um comportamento o mais natural possível, pelo que solicitamos aos mesmos que explicassem aos seus atletas o objectivos das filmagens e das entrevistas, tentando evitar o condicionamento dos seus comportamentos. Para a realização do estudo utilizamos os seguintes instrumentos: Câmara de filmar SONY hadycamvision ccd- trv65e pal /72x digital zoom, para a filmagem dos treinos.; Microfone Wireless VHF SG-301 Acústica, para a gravação das intervenções verbais do treinador; Gravador de mão SONY m-425 microcassete-corder, para a gravação das entrevistas realizadas aos atletas.

Tratamento dos dados e procedimentos estatísticos

Para o tratamento dos dados foi utilizado o programa estatístico SPSS 14.0. Na análise inferencial aplicamos a estatística não-paramétrica, o teste Qui-quadrado ?) ²), com um nível de significância de 5% (p?0,05), para analisar a associação entre as variáveis dependentes relacionadas com os atletas (coerência, compreensão e concordância). O teste Qui-quadrado, estabelece a comparação entre as frequências reais e as esperadas e fornece-nos os resíduos ajustados, que se devem situar entre [-2, 2], sendo que os valores negativos indicam uma frequência real inferior à esperada e os valores positivos que a frequência real foi superior à esperada. Quanto maior o valor positivo ou negativo, maior a relação de dependência entre variáveis. Para a comparação de grupos foi aplicada a estatística paramétrica, o T - Teste Medidas Independentes, com um nível de significância de 5% (p?0,05), após se verificar os pressupostos da normalidade (teste de Shapiro Wilk) e homogeneidade (Teste de Levene), para comparar comparar o número de ideias reproduzidas pelo atletas em função do género.

RESULTADOS

– Associação entre a Coerência e a Compreensão

Análise Descritiva:

Analisando os valores da Coerência (razão entre o número de ideias transmitidas pelo treinador e o número de ideias retidas pelo atleta) e da Compreensão (razão entre o número de ideias transmitidas pelo treinador e o número de ideias compreendidas pelo atleta), (Tabela 1), podemos verificar que num total de 172 unidades de informação observadas, apenas em 65 (37,8%) houve coerência, sendo que apenas 14 (13,5%) foram consideradas compreendidas e 51 (75%) não compreendidas. Das 107 unidades de informação não coerentes (62,2%) constatámos que 90 (86,5%) não foram compreendidas e que 17 (25%) obtiveram compreensão. Os valores encontrados pelo nosso estudo vem ao encontro do defendido por Breia (2003) e Breia e Rosado (2004) que referem que a evidência do treino tem demonstrado que uma parte significativa das mensagens se perde entre o momento da emissão e o da recepção, pois no estudo realizado pelos mesmos verificaram que há uma perda de 31,3% da informação transmitida pelo treinador. Analisando a tabela 1 podemos verificar que existe uma relação de dependência entre as duas variáveis, uma vez que se verificaram diferenças estatisticamente significativas na aplicação do Teste do Qui-quadrado ( ?² = 66,232; V. Cramer = 0,621; p = 0,00). Assim, verificámos que na ausência de coerência da informação transmitida pelo treinador, os atletas acusaram também reduzida compreensão, muito abaixo da frequência esperada. Os resultados mostram que quando não se verifica coerência entre aquilo que foi transmitido pelo treinador e o retido pelo atleta, dificilmente se verifica compreensão por parte dos atletas. Nas unidades de informação em que os atletas obtiveram coerência, a compreensão alcançada foi bastante superior à esperada. Estes dados sugerem que quando os atletas são capazes de reproduzir aquilo que o treinador disse parecem ter compreendido essa informação. Assim, os treinadores para terem uma percepção acerca daquilo que os atletas compreenderam, poderão solicitar aos atletas que repitam aquilo que lhes foi dito. Neste sentido, e como refere Barroja (2005) e Barroja e Rosado (2005), o atleta tem que receber e compreender a informação para a assimilar e posteriormente a utilizar de modo adequado, o que reforça o facto de que a forma como o atleta recebe a informação transmitida pelo treinador é fundamental para a sua compreensão.

Tabela 1 – Associação entre a Coerência e a Compreensão.

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº3.

¡Consíguelo aquí!

Associação entre a Coerência e a Concordância

Analisando os resultados da associação entre a Coerência (razão entre o número de ideias transmitidas pelo treinador e o número de ideias retidas pelo atleta) e a Concordância (razão entre as instruções do treinador e a aceitação da mesma por parte do atleta), verificou-se que todas as unidades de informação que obtiveram coerência (65) tiveram total concordância por parte dos atletas. Quanto às unidades de informação que não obtiveram coerência, apenas 5 (4,7%) não obtiveram concordância, sendo que 95,3% (102 unidades de informação) obtiveram na mesma concordância por parte dos atletas (tabela 2). Tendo em conta o Teste Qui-quadrado realizado ( ?² = 3,128; V. Cramer = 0,135; p = 0,07), verificamos que não existem diferenças estatisticamente significativas entre a Coerência e a Concordância, ou seja, as variáveis em estudo apresentam uma relação independente (tabela 4). Estes resultados sugerem que mesmo não havendo coerência total entre o que foi transmitido pelo treinador e aquilo que foi reproduzido pelo atleta, os atletas concordam quase sempre com aquilo que lhes foi dito, o que do ponto de vista do processo de ensino-aprendizagem levanta polémica; porquanto, significa que o atleta concorda para mostrar que aceita o que o treinador lhe diz mesmo que não tenha retido a informação. Tal sugere e reforça a necessidade do treinador utilizar outras formas de controlo da informação emitida, nomeadamente através de um acompanhamento sistemático dos atletas durante a prática e, ainda, pela aplicação de estratégias instrucionais que promovam nos atletas uma atitude mais crítica e reflexiva em relação à informação emitida pelo treinador.

Tabela 2 – Associação entre a Coerência e a Concordância.

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº3.

¡Consíguelo aquí!

Associação entre a Compreensão e a Concordância

Análise Descritiva:

Relativamente aos valores da Compreensão e da Concordância dos atletas, podemos verificar que num total de 172 unidades de informação observadas, 68 (39,5%) obtiveram compreensão e concordância em simultâneo por parte dos atletas; sendo que das 104 unidades (60,5%) de informação que não obtiveram compreensão, 99 (95,2%) obtiveram, na mesma, concordância registando-se apenas uma frequência de 5 unidades de informação (4,8%) que não obtiveram concordância por parte dos atletas (tabela 5). Os resultados mostram que mesmo nas unidades de informação fornecidas pelo treinador que não obtiveram compreensão dos atletas, os mesmos concordam quase totalmente com aquilo que lhes foi transmitido. Estes valores podem sugerir que os atletas têm dificuldade ou receio em questionar os treinadores sobre aquilo que os mesmos transmitem. Tal sugere que os atletas mesmo não percebendo o que lhes foi dito, não solicitam uma nova explicação aos treinadores. Este dado poderá querer dizer que os treinadores devem demonstrar maior preocupação em verificar se os atletas compreenderam aquilo que lhes foi transmitido, uma vez que os atletas parecem não questionar os treinadores mesmo quando não compreendem. Assim, a concordância parece não ser um indicador de compreensão de informação por parte dos atletas, o que sugere que a observação do desempenho dos atletas por parte do treinador será bem mais fidedigno. Os treinadores poderão ainda investir mais na relação com os atletas, pois segundo Mageau e Vallerand (2003) o comportamento do treinador influencia a motivação dos atletas para a aprendizagem. O modo como o treinador orienta o processo de aprendizagem, nomeadamente através da relação que estabelece com os praticantes interfere nas performances alcançadas (Quest et al., 1996 cit Mesquita, 2003) bem como os comportamentos sociais e afectivos dos praticantes (Millard, 1996 cit Mesquita, 2003). Através da realização do Teste Qui-quadrado ( ?² = 3,367; V. Cramer = 0,140; p = 0,06), podemos verificar que existe uma relação independente entre a compreensão e a concordância, na medida em que não se verificaram diferenças estatisticamente significativas (tabela 3).

Tabela 3 – Associação entre a Compreensão e a Concordância

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº3.

¡Consíguelo aquí!

Número de ideias transmitidas pelo treinador em função do sexo dos atletas

O treinador da equipa de infantis masculinos apresenta uma média de 2,82 ± 1,682 ideias transmitidas, enquanto que o treinador da equipa de infantis femininos obteve uma média de 2,39 ± 1,391. Todavia estas diferenças não têm significado estatístico (p=0,298) o que mostra que, no presente estudo, o género dos praticantes não foi uma variável diferenciadora da quantidade de informação emitida pelo treinado (tabela 4). Contrariamente no estudo realizado por Botelho et al. (2005), na competição no escalão de juniores, o autor verificou que os treinadores das equipas do sexo masculino transmitiram mais informação que os treinadores das equipas de sexo feminino. Atendendo a que são níveis de prática distintos entre os dois estudos (infantis versus juniores) este factor pode influenciar a quantidade de informação emitida pelo treinador já que nos escalões superiores (juniores e seniores) as diferenças de nível de jogo aumentam, e com isso a quantidade e a natureza da informação emitida pelo treinador.

Tabela 4 - Número de ideias transmitidas pelo treinador em função do género dos atletas

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº3.

¡Consíguelo aquí!

Número de ideias reproduzidas pelos atletas em função do género

A equipa de infantis masculinos obtém uma média de 1,12 ± 0,74 de número de ideias reproduzidas pelo atleta, enquanto que a equipa de infantis feminino apresenta uma média inferior de 0,94 ± 0,747. Também Barroja e Rosado (2005), ao compararem o número de ideias retidas pelo sexo masculino e feminino verificaram que os primeiros obtêm um valor superior, embora sem significado estatístico. Do mesmo modo no presente estudo (tabela 5) as diferenças não têm significado estatístico (p= 0,324).

Tabela 5 - Número de ideias reproduzidas pelo atleta em função do género

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº3.

¡Consíguelo aquí!

Estes resultados evidenciam que o género não interfere na quantidade de informação retida. Porquanto consideramos pertinente em futuros estudos considerar outras variáveis, nomeadamente o nível de desempenho.

Conclusões

Dos resultados do presente estudo podemos concluir que: Nas unidades de informação em que houve coerência (37,8%), apenas se verificou compreensão por parte dos atletas em 13,5%. Verificou-se uma relação de dependência ente a retenção e a compreensão. Nas unidades de informação em que houve coerência, registou-se 100% de concordância por parte dos atletas, sendo que nas unidades de informação em que não houve coerência (4,7%), houve concordância em 95,3%. Verificou-se uma relação de independência entre a coerência e a concordância. Nas unidades de informação analisadas apenas em 39,5% houve compreensão e concordância em simultâneo. Das 60,5% unidades em que não se verificou compreensão registou-se concordância em 95,2%. Verificou-se uma relação de independência ente a compreensão e a concordância. A quantidade de informação emitida pelos treinadores não se diferencia significativamente em função do género dos atletas. A quantidade de informação reproduzida pelos atletas não se diferencia significativamente em função do género.

BIBLIOGRAFÍA

  • Breia, E. (2003). Retenção de informação em episódios instrucionais típicos em sessões de ginástica acrobática. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.
  • Breia, E.; Rosado, A. (2004). Retenção de informação em episódios instrucionais típicos em treino desportivo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Vol.4, Nº2 (suplemento): 171-193.
  • Barroja, E. (2005). Análise da instrução do treinador. Caracterização da informação transmitida pelo treinador na prelecção inicial e do grau de retenção por parte dos atletas em situações de competição de judo. Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa.
  • Barroja, E.; Rosado, A. (2005). Análise da instrução do treinador. Caracterização da informação transmitida pelo treinador na prelecção inicial e do grau de retenção por parte dos atletas em situações de competição de judo. Artigo não publicado.
  • Mageau, G.; Vallerand, R. (2003). The coach – athlete relationship: a motivational model. Journal of Sports Sciences, 21: 883-904.
  • Mesquita, I. (2003). Elogiar para formar e treinar melhor – a importância da intervenção do treinador. Revista Horizonte. Vol XVIII, Nº108.
  • Botelho, S.; Mesquita, I.; Moreno, M. (2005). A intervenção verbal do treinador de voleibol na competição. Estudo comparativo entre equipas masculinas e femininas dos escalões de formação. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2(v), 174- 183.
  • Mesquita, I. (2000). A Pedagogia do Treino: A Formação em Jogos Desportivos Colectivos. Lisboa: Livros Horizonte.

Responder

Otras colaboraciones