800 007 970 (Gratuito para españa)
658 598 996
·WhatsApp·

4 may 2006

Efeitos benéficos do exercício físico sobre a função ventricular esquerda em condições de sobrecarga aguda de pressão.

/
Enviado por
/
Comentarios0
/

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº2.

¡Consíguelo aquí!

O coração possui uma grande capacidade de adaptação à sobrecarga aguda e crónica. Enquanto que a sobrecarga crónica de volume origina uma hipertrofia excêntrica, a sobrecarga crónica de pressão origina uma hipertrofia concêntrica. A sobrecarga ventricular aguda induz também...

Autor(es):Moreira-Gonçalves, Daniel.1,2; Henriques-Coelho,Tiago2; Gonçalves, Nadia2; Rodrigues Dos Santos, Jose Augusto1; Ramos Duarte, Jose Alberto1; Leite- Moreira, Adelino2
Entidades(es): 1 Faculdade do Desporto (Universidade de Porto). Portugal, 2 Servicio de Fisiologia, Faculdade de Medicina (Universidade de Porto). Portugal
Congreso:I Congreso Internacional de las Ciencias Deportivas
Pontevedra: 4-6 de Mayo de 2006
ISBN: 84-611-2727-7
Palabras claves: Pmax, hipertrofia, salud

INTRODUCCIÓN

O coração possui uma grande capacidade de adaptação à sobrecarga aguda e crónica. Enquanto que a sobrecarga crónica de volume origina uma hipertrofia excêntrica, a sobrecarga crónica de pressão origina uma hipertrofia concêntrica. A sobrecarga ventricular aguda induz também alterações hemodinâmicas distintas, dependentes do tipo de sobrecarga e da fase do ciclo cardíaco em que é aplicada. Objectivo: Investigar as alterações hemodinâmicas no ventrículo esquerdo (VE) induzidas pela sobrecarga diastólica aguda de pressão em corações normais e corações com hipertrofia induzida pelo exercício físico. Material e Métodos: Ratos Wistar machos (n=8) foram divididos aleatoriamente em 2 grupos, e submetidos a sobrecarga aguda de pressão ventricular esquerda por banding da aorta descendente durante 2 horas de forma a aumentar a pressão máxima (Pmax): (i) animais submetidos a corrida contínua durante 14 semanas (grupo Exercício, n=4) (ii) animais apenas expostos ao tapete de corrida (grupo Sham, n=4). No final das 14 semanas, os animais foram anestesiados (pentobarbital, ip, 60 mg/Kg), traqueostomizados para ventilação mecânica. Foi cateterizada a veia jugular interna direita para perfusão de soro fisiológico. De seguida, realizou-se uma esternotomia mediana e pericardiotomia. Foi introduzido um catéter de pressão no ventrículo esquerdo (VE). Foram determinadas as pressões máxima (PVEmax) e telediastólica (PVETele), as velocidades de elevação e queda de pressão (dP/dtmax e dP/dtmin) e a velocidade de relaxamento avaliada pela constante de tempo tau. Resultados: Os resultados encontram-se sumariados na tabela e expressam-se como médias ± erro padrão; p<0.05 : a vs 0min; b vs Sham. Discussão e Conclusões: No grupo não treinado (Sham), a sobrecarga diastólica aguda de pressão induziu importantes alterações hemodinâmicas. Verificou-se disfunção sistólica (diminuição da pressão sistólica VE máxima e do dP/dtmax) bem como diastólica (diminuição dP/dtmin e lentificação do relaxamento). No grupo Exercício, pelo contrário, a sobrecarga VE induziu melhoria da função sistólica com preservação da função diastólica e do relaxamento. Estes resultados permitem concluir que a hipertrofia miocárdica induzida pelo exercício físico, permite uma melhor adaptação hemodinâmica em condições de sobrecarga aguda de pressão e que induzem insuficiência cardíaca em corações sem hipertrofia. O estudo dos mecanismos subjacentes a esta melhor adaptação poderá permitir, no futuro, a identificação das vias subcelulares responsáveis pela prevenção da disfunção cardíaca induzida por sobrecarga aguda de pressão.

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº2.

¡Consíguelo aquí!

 

Responder

Otras colaboraciones