800 007 970 (Gratuito para españa)
658 598 996
·WhatsApp·

5 may 2009

Ginástica laboral: um estudo exploratório no pólo industrial de manaus.

/
Enviado por
/
Comentarios0

La actividad industrial en los retraces del mundo de la primera revolución industrial, de este hecho histórico hecho con ése la cantidad de fábricas y industrias creció en el mundo entero. En el Brasil, a partir de la década de 30 no era diferente. Específicamente en Manaus, el capital del estado de Amazonas…

 
Autor(es): AUTRAN, ROSEANNE
Entidades(es): OPORTO (PORTUGAL)
Congreso: V Congreso nacional de las ciencias del deporte y la educación física
Pontevedra: 7-9 de Mayo de 2009
ISBN: 978-84-613-1660-1
Palabras claves: Gimnasia Laboral;Pólo Industrial de Manaus;Cuestionarios;Cualitativos;Cuantitativos

RESUMEN COMUNICACIÓN/PÓSTER

La actividad industrial en los retraces del mundo de la primera revolución industrial, de este hecho histórico hecho con ése la cantidad de fábricas y industrias creció en el mundo entero. En el Brasil, a partir de la década de 30 no era diferente. Específicamente en Manaus, el capital del estado de Amazonas, el proceso de la industrialización iniciado de la implantación de la “zona franca del proyecto de Manaus” en 1967, cuando las sucursales de algunas industrias situadas en países desarrollados, había dado a comenzar sus instalaciones en la actual Pólo Industrial Manaus [PIM]. Las innovaciones tecnológicas de la modernidad actual, así que el saludable para las compañías tenían consecuencias serias traídas interior para el trabajador, como las enfermedades ocupacionales o la patología del trabajo. Una de las formas adoptadas para las compañías en el mundo entero es el uso de los programas que promueven la calidad de la vida o la promoción de la salud del trabajador en su ambiente del trabajo. “Una de las estrategias adoptadas para el programa de la calidad de la vida es la Gimnasia del trabajo o Laboral [GL], donde Cañete citado por Lima (2005) definen la gimnasia de trabajo como llevado con actividad física programada en el ambiente y durante el expediente del trabajo”.

El actual estudio del carácter del exploratorio investigó en el alcance cuali-cuantitativo las ventajas que un programa de la gimnasia laboral trae a los empleados y a las compañías de la región de lo PIM. Fueran aplicados 25 cuestionarios en 3 compañías de diversos ramas del funcionamiento de la región polar industrial de Manaus habían sido aplicados. Donde habían estado destinados 22 cuestionarios (cuantitativos) a los empleados de la producción que evaluaban la opinión del bienestar y de 3 cuestionarios (cualitativos) destinados al técnico de la seguridad del trabajo, representando el departamento de recursos humanos de cada compañía, donde evaluó las ventajas que el programa trae para la empresa. Consideró que tanto los funcionarios cuanto la empresa son beneficiados por el programa de GL, confirmando los estudios de otros autores.

INTRODUÇÃO

Com o advento da era industrial, tiveram início o processo de fabricação de produtos em massa e a crescente especialização dos operários no sentido de melhorar a qualidade, de aumentar a produção e de diminuir os custos. Essa especialização levou os trabalhadores a executarem funções específicas nas empresas, com a realização de movimentos repetitivos, associados a um esforço excessivo, o que fez com que muitos indivíduos passassem a sentir dores. (Oliveira, 2007). Chaplin em “Tempos Modernos”, deixa claro a nova rotina do trabalhador que além de sedentário, passa horas na mesma posição e repetindo diversas vezes o mesmo movimento por conta da sua especialização em determinada tarefa.

A Revista de Educação Física (CONFEF) em Agosto de 2004, apontou que cerca de quatro milhões de brasileiros são submetidos a tratamento em razão de dores provocadas pela postura incorreta no trabalho e pela pressão diária de situações competitivas. Esses afastamentos são justificados pelas patologias laborais nos quais é definida pelo Instituto Nacional de Seguridade Nacional – INSS como a seguinte terminologia: Distúrbios Osteomoleculares Relacionados ao Trabalho (D.O. R. T).

A fim de combater o sedentarismo e diminuir o número de afastamentos por conta dessa doença, uma das alternativas encontradas pelas empresas é adotar dentro do Programa de Qualidade de Vida ou Saúde do Trabalhador, a Ginástica Laboral (GL), que segundo Cañete (1996) é destinada ao bem estar físico, psicológico e social do trabalhador. A Ginástica Laboral é definida como uma seqüência de exercícios diários que melhora as capacidades e funções corporais para a realização do trabalho prevenindo assim, os D.O.R.T, compensando os vícios posturais, mantendo o condicionamento físico e a integridade física do trabalhador, além dos benefícios psicológicos e sociais alcançados (Polito & Bergamaschi, 2002, citado por Tanaka 2007).

Existem dois tipos de GL: a Preparatória, realizada nas primeiras horas de trabalho tendo como objetivo preparar o trabalhador para sua jornada de trabalho através de exercícios de aquecimento ou alongamento que promovam o aumento da circulação sanguínea; e a Compensatória, que é realizada como uma pausa no meio da jornada de trabalho através de exercícios de compensação que promovam o relaxamento e a diminuição da fadiga muscular.

De acordo com a Superintendência da Zona Franca de Manaus (2008), o Pólo Industrial de Manaus (PIM) é considerado um dos mais modernos da América Latina. Sendo assim, o presente estudo pretende explorar no âmbito quali-quantitativo, as empresas que adotam às atividades de GL acompanhada por um profissional de Educação Física, dentro de um programa de Qualidade de Vida ou Saúde do Trabalhador.

MATERIAL Y MÉTODO

AMOSTRA

A amostra do estudo foi constituída de 25 funcionários de 03 (três) empresas de diferentes ramos de atuação como: Eletrônica, Tecnológica e Injeção Plástica. As amostras correspondiam os trabalhadores de ambos os sexos e praticantes de aulas compensatórias. Dentro desse contexto, foi observado também que predominou participantes do sexo masculino, haja vista, ser o perfil dos funcionários do PIM.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Para o trabalho de campo, foi realizado um levantamento junto ao o Serviço Social da Indústria (SESI) e a empresas privadas que oferecem as atividades de Ginástica Laboral no PIM (Pólo Industrial de Manaus).

Foram aplicados 25 questionários, sendo 22 (vinte e dois) que caracterizavam a amostra quantitativa (funcionários da produção) e 03 (três) a amostra qualitativa, representado pelo técnico de segurança do trabalho do D.R.H de cada empresa.

INSTRUMENTOS

O questionário de caráter quantitativo contendo 07 (sete) questões, foi baseado no estudo de Dias, Silva, Silva & Beltrão (2006). A contribuição de um programa de ginástica laboral para a aderência ao exercício físico, adaptado por Autran. Primeiro traçou-se um perfil do colaborador em Gênero, Idade e Tempo de e Empresa. Considerando a escala de Likert de 5 pontos (1-Nunca; 2-Raramente; 3-As Vezes; 4-Freqüentemente; 5-Sempre). As questões de 02 a 05 tiveram como objetivo relatar a PERCEPÇÃO DE Bem-estar NO TRABALHO. Já as questões 06 e 07 utilizaram a escala de Likert de 04 pontos (1- Nenhuma Influencia; 2-Pouca Influencia; 3-Influencia; 4-Influencia Decisivamente) tendo como objetivo avaliar a influencia da G.L na saúde e disposição para o trabalho. Este questionário tinha como objetivo identificar os benefícios em relação a percepção do bem-estar que o programa de GL proporciona para os trabalhadores

O questionário de caráter qualitativo teve como objetivo avaliar de que forma a Empresa se beneficia com o Programa de G.L e o seu interesse em continuar com estas atividades. Para isso foram elaboradas 05 (cinco) questões: 1- Há quanto tempo a empresa adota Programa de G.L; 2- O que levou a empresa a implementar o programa de G.L; 3-Quais os principais benefícios que o Programa de G.L trouxe para a empresa; 4-Reduziu o número de afastamentos ocasionados por D.O.R.T; 5- A empresa pretende continuar com o programa de G.L?

APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO

Os trabalhadores foram abordados de forma aleatória, durante uma sessão de Ginástica Laboral.

APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Para melhor compreensão dos resultados dessa pesquisa exploratória, serão descritos item a item: Os colaboradores representantes da coleta quantitativa foram predominantemente masculinos com 68,18%, tendo em vista esse ser o gênero que predomina nas indústrias do Pólo Industrial de Manaus. A faixa etária ficou acima dos 31 anos de idade com 63.63%. Em relação ao tempo de empresa 50% dos entrevistados tem mais de 04 (quatro) anos de casa. O que demonstra que seja positiva a relação funcionário/empresa, sendo a Ginástica Laboral um fator que contribui para essa relação.

Com relação à percepção do bem estar no trabalho, os resultados estão apresentados nos quadros a seguir:

Quadro 01- Apresentamos os resultados do fator SENTE SE DEPRIMIDO:

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 10

O somatório das respostas Raramente (36%), Às vezes (23%) e Nunca (41%), mostra que o nível de ansiedade entre os colaboradores é muito pouco. Contribuindo para o que afirma LIMA (2005), que a atividade física no ambiente de trabalho é uma boa estratégia para o alívio da depressão e ansiosidade.

Quadro 02- Fator: SENTE – SE ANSIOSO:

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 10

No quadro acima, 95,5% dos entrevistados que participaram da pesquisa revelaram que se sentem ansiosos; Nunca (18,20%); Raramente (27,3%) e Às vezes (50%) revelando que a prática da Ginástica Laboral contribui para a diminuição da ansiosidade no local de trabalho.

Quadro 03 – Fator: SENTE-SE DISPOSTO PARA REALIZAR SEU TRABALHO

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 10

O somatório dos itens Frequentemente (27,30%) e Sempre (68,20%), confirma o que diz Lima (2005), onde as atividades de Ginástica Laboral proporcionam aos colaboradores o aumento da disposição para as atividades pessoais e do trabalho.

Quadro 04- Fator: VOCÊ PARTICIPA DAS AULAS DE GINÁSTICA LABORAL

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 10

A maioria dos respondentes 86,9% afirmou que participam das atividades de G.L, o que pode responder baixos níveis de ansiosidade e melhor disposição para a execução de tarefas no trabalho.

Quadro 05 – Fator: EM SUA OPINIÃO, A PRÁTICA REGULAR E ORIENTADA DA GINÁSTICA LABORAL NA EMPRESA POSSUI INFLUÊNCIA SOBRE SUA SAÚDE:

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 10

O percentual significativo de 77.5 % que a prática das G.L influencia na sua saúde, coincidindo com o trabalho de Dias, Silva, Silva e Beltrão (2006).

Quadro 06 – Fator: VOCÊ PERCEBE QUE A PRÁTICA DA GINÁSTICA LABORAL NA EMPRESA INFLUÊNCIA NA SUA DISPOSIÇÃO PARA O TRABALHO:

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 10

No quinto fator, 86,5% responderam que a prática da Ginástica Laboral influencia na sua disposição para o trabalho. Confirmando o estudo de Lima (2005) p.13,onde afirma que a prática da G.l aumenta a disposição e o ânimo para o trabalho.

No âmbito qualitativo, a pesquisa apontou que:

Os técnicos de segurança das empresas entrevistadas responderam que desenvolvem a prática regular da Ginástica Laboral a mais de 03 (três) anos e meio.

Apurou-se que o que levou muitas empresas adotarem o Programa de Ginástica foi uma preocupação com o estilo de vida do colaborador, sua qualidade de vida no trabalho e o surgimento das doenças ocupacionais relacionadas ao trabalho.

As empresas responderam que os principais benefícios que a Ginástica Laboral trouxe para empresa foram: a melhoria da capacidade de concentração, o que pode ser respondido pelas questões 02 (dois) e 03 (três) do questionário quantitativo, melhoria no relacionamento interpessoal e social entre os colaboradores (citação) e reduziu o número de absenteísmo.

Duas das 03 (três) empresas possuem um número de afastamento baixo, quando comparadas a grandes indústrias e uma terceira empresa vem reduzindo o número de afastamentos ocasionados por Distúrbios Osteomoleculares Relacionados ao Trabalho.

Todas as empresas pretendem continuar com o programa de Ginástica Laboral devido aos fatores positivos que esse tipo de atividade traz para a empresa e seus respectivos colaboradores.

CONCLUSÃO

Os resultados do estudo confirmam os resultados de estudos realizados por Lima (2005), Cañete (2001), Mendes (2004), Oliveira (2002) e de Dias, Silva, Silva e Beltrão (2006) onde afirmam que a G.L aplicada de forma regular e acompanhada por um profissional habilitado proporciona benefícios como:

Âmbito Quantitativo:

-Baixa percepção de depressão e /ou ansiedade;

-Melhor disposição para o trabalho, proporcionando bem estar tanto para a empresa quanto para o colaborador. Diagnosticado na pesquisa de caráter quantitativo.

Âmbito Qualitativo:

-Diminuição do índice de absenteísmo, constatada na pesquisa de caráter qualitativo;

-Redução do aparecimento de doenças relacionadas ao trabalho;

-Melhor relacionamento entre empresa/funcionário.

Vale ressaltar que as atividades de G.L não devem ser tratadas de forma isolada na empresa, ela por si só não traz benefícios significativos. A empresa tem que adotar a política da multidisciplinaridade, com avaliação ergonômica, técnicos ou engenheiro do trabalho, médicos ocupacionais e outras políticas sociais elaboradas pelo Departamento de Recursos Humanos. Pretendemos continuar com este estudo, abordando um maior número de empresas e colaboradores, afim de que se possam constatar os resultados obtidos ou novas percepções venham a surgir.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Por se tratar de estudo exploratório e original sobre a referida temática no Estado do Amazonas e no Pólo Industrial de Manaus, os resultados iniciais apontaram que:

Durante a pesquisa, foi detectado que (SESI) é a instituição que coordena o maior número de empresas com a prática de Ginástica Laboral, no PIM;

A duração de cada sessão é de 5 a 10 minutos;

Durante o levantamento das empresas que possuem o Programa de Ginástica Laboral, verificou-se que muitas utilizam o método do “facilitador”, onde a empresa contrata um fisioterapeuta ou profissional de Educação Física e o mesmo treina um funcionário da mesma empresa para ministrar as sessões de Ginástica Laboral. Método este, considerado irregular pelo CONFEF, pois o trabalhador além de acumular mais uma função, não é habilitado para a prática da profissão, ainda coloca em risco a saúde de outros colegas de trabalho, por não ser um profissional qualificado para exercer esta função.

É comum nas empresas que as aulas não sejam obrigatórias. As aulas são oferecidas a todos os funcionários, porém cabe ao profissional responsável pelas atividades que utilize estratégias a fim de incentivar, informar e buscar novos adeptos para a prática de Ginástica Laboral.

Para melhor compreensão dos resultados dessa pesquisa exploratória, serão descritos item a item: Os colaboradores representantes da coleta quantitativa foram predominantemente masculinos com 68,18%, tendo em vista esse ser o gênero que predomina nas indústrias do Pólo Industrial de Manaus. A faixa etária ficou acima dos 31 anos de idade com 63.63%. Em relação ao tempo de empresa 50% dos entrevistados tem mais de 04 (quatro) anos de casa. O que demonstra que seja positiva a relação funcionário/empresa, sendo a Ginástica Laboral um fator que contribui para essa relação.

REFERÊNCIAS

  • CAÑETE, Ingrid. Humanização: Desafio da Empresa Moderna. A ginástica laboral como um caminho. 2 ed.São Paulo: Ícone, 2001.
  • DIAS, A.G; SILVA, I.A.S; SILVA,V.F; BELTRÃO, F.B . A contribuição de um programa de ginástica laboral para a aderência ao exercício físico. Fitness & Performance, Journal,v5, n. 5, p 326-329,2006.
  • JUVÊNCIO, J.F. Ginástica Laboral atividade física na empresa.Rio de Janeiro, 2005.
  • LIMA, Valquíria de. Ginástica Laboral: atividade física no ambiente de trabalho. SP. Phorte, 2005.
  • .Ginástica Laboral.E.F. órgão do CONFEF,ano 24,n. 13, p 4-9, 2004.
  • Oliveira, João Ricardo. A prática da Ginástica Laboral. Rio de Janeiro. Sprint, 2002.
  • .A Importância da Ginástica Laboral na Prevenção de Doenças Ocupacionais. Revista de Educação Física – N 139, p 41, 2007.
  • POLITO, E.& BERGAMASCHI, E. C. Ginástica Laboral: teoria e prática. RJ: Sprint, 2002.
  • TANAKA, Kátia. Efeito da Ginástica Laboral no Estresse. Revista Digital- Buenos Aires, N°108;Maio de 2007. Disponível em http://www.efdeportes.com/efd108/efeito-da-ginastica-laboral-no-estresse.htm, acessado em 10 de abril de 2008.
  • Zona Franca de Manaus, disponível: http://www.suframa.gov.br/suframa. Acessado em 29/05/2008

Responder

Otras colaboraciones