800 007 970 (Gratuito para españa)
658 598 996
·WhatsApp·

21 sep 2006

Jogos Esportivos Coletivos e Livro Didático: possibilidades pedagógicas para a iniciação em múltiplas modalidades.

/
Enviado por
/
Comentarios0
Os jogos esportivos coletivos (JECs) constituem um conteúdo constante nas aulas de Educação Física escolar no Brasil, em especial na prática das modalidades basquetebol, futsal, handebol e voleibol. Mesmo sendo o processo de ensino e aprendizagem dos JECs alvo constante de estudos acadêmicos, a transição…

Autor(es): (1) Galatti, Larissa Rafaela (PRESENTA EL TRABAJO); (2) Paes, Roberto Rodrigues; (3) Montero Seoane, Antonio; (4) Balbino, Hermes Ferreira; (5) Ferreira, Henrique Barcelos; (6) Silva, Ylane Pinheiro Gonçalves
Entidades(es): FEF – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)/ Brasil yFCDEF – Universidade da Coruña/ Espanha
Congreso:II Congreso Internacional de Deportes de Equipo
Pontevedra: 21-23 de Septiembre de 2006
ISBN: 978-84-613-1659-5
Palabras claves: Pedagogia do Esporte,Jogos Esportivos Coletivos, Livro Didático / Sport Pedagogy, Team Sport, Textbooks

RESUMO

Os jogos esportivos coletivos (JECs) constituem um conteúdo constante nas aulas de Educação Física escolar no Brasil, em especial na prática das modalidades basquetebol, futsal, handebol e voleibol. Mesmo sendo o processo de ensino e aprendizagem dos JECs alvo constante de estudos acadêmicos, a transição entre Academia e Escola ou ambientes de ensino não formal tem se mostrado deficiente, resultando em práticas que se repetem ao longo dos anos. Em função do pouco tempo destinado à Educação Física no currículo escolar, é dificultada a adequada especialização em modalidades específicas, papel que vem sendo historicamente assumido pelos clubes, dentre outras instituições promotoras do esporte. Considerando este panorama, o presente estudo apresenta a abordagem multi modalidades como alternativa para um trabalho com JECs na escola priorizando os objetivos gerais e regras de ação desse conjunto de modalidades. Aliado a este, propomos a inserção do livro didático como um recurso agregado, de uso interativo na aula ou na casa do aluno, com o propósito de somar informações e possibilidades educacionais, sem substituir a prática, essência da Educação Física.

RESUMEN

Los deportes de equipo son un contenido habitual en las clases de Educación Física escolar en Brasil, sobre todo en las modalidades baloncesto, balonmano, fútbol sala y voleibol. Aunque sus procesos de enseñaza y aprendizaje son temas constantes en estudios académicos, parece darse una divergencia importante entre las propuestas académicas realizadas en la Universidad y las prácticas deportivas en las escuelas o los entornos de educación no formal. El poco tiempo destinado a la Educación Física en el currículo escolar, es dificulta la adecuada especialización en diferentes modalidades deportivas, rol que ha sido históricamente desempeñado por los clubes, entre otras instituciones promotoras del deporte. A la vista de tal panorama, este estudio presenta la abordaje multideportivo como alternativa para la enseñanza de los deportes de equipo en la escuela, enfatizando los principios generales de acción comunes a estas modalidades. Así, proponemos la inserción del libro texto como un recurso agregado, de uso interactivo en la clase o en la casa de los alumnos y alumnas, con el propósito de incrementar las posibilidades educativas sin pretender, por ello, sustituir la practica, esencia de la Educación Física y del deporte.

RESUME

The team sports groups are a constant content in physical education classes in Brazilian’s schools. Although the teaching and learning process of those sports have been target of academic studies, the transition between Academy and School environments or non-formal education agencies has been deficient, resulting in practices that are repeated over the years. Considering the short time for physical education in school curriculum, it is difficult to adequately focus on specific modalities, role that has been historically developed by the clubs, among other sport promoting institutions. Considering this background, this study presents a multi methods approach as an alternative to working with team sports at school. Allied to this, we propose the insertion of the textbook as a resource aggregate of interactive use in the classroom or at students home, in order to add information and educational opportunities, without replacing the practice.

 

Introdução

A relação produção acadêmica e prática pedagógica é alvo de constantes críticas. A educação física, pela histórica perspectiva dualista de corpo e mente, se vê, ainda, por vezes questionada no ambiente escolar, recebendo pequena carga horária nos currículos, dificultando a organização e sistematização de conteúdos por parte dos professores.

Buscando diminuir a distância entre o que a academia produz e a realidade da prática pedagógica, o presente artigo estrutura-se a partir da pedagogia do esporte com o objetivo de apresentar a organização do trabalho por módulos que contemplem blocos de atividades como uma possibilidade adequada ao tempo de prática disponível para a educação física escolar e alia e este o livro didático como um recurso agregado que pode facilitar o aprofundamento daquilo que foi praticado em aula ou a posteriori, assim como apresentar informações adicionais sobre modalidades específicas, tais como o histórico e regras das mesmas, o que facilitaria a apropriação do esporte pelos alunos, como praticantes ou espectadores destas diferentes modalidades também em outros ambientes, além do escolar.

A organização dos conteúdos referentes aos JECs em módulos se deu a partir, sobretudo, dos estudos de Bayer (1994), Garganta (1995), Paes (2001) e Galatti (2006), aos quais foram agregados a concepção de Seqüência Didática proposta por Dolz, J.; M. Noverraz & B. Schneuwly (2004), a qual facilitou a sistematização dos conteúdos.

Discussão

Os Jogos Esportivos Coletivos

A organização do conteúdo JECs, neste estudo, partiu da concepção de “transfert” proposta por Bayer (1994), que tem por princípio a possibilidade de transferência dos conhecimentos de um JEC para os demais. O autor inicia sua proposta a partir da percepção de seis invariantes entre todos os JECs, sendo elas: (1) Um objeto esférico a ser manipulado; (2) Um espaço demarcado de jogo; (3) Um alvo a ser atacado e outro a ser defendido; (4) Os integrantes de uma equipe; (5) Adversários; (6) Regras.

Às invariantes, somam-se os princípios operacionais defensivos (proteger o alvo; impedir a progressão do adversário e recuperar a posse de bola) e ofensivos (conservar a posse de bola; progredir em direção ao alvo e finalizar e marcar pontos ). Aos já clássicos princípios de Bayer (1994), Ferreira, Galatti e Paes (2005, p.130) acrescentam princípios operacionais também para a transição, que na ofensiva se relacionam à rápida ocupação da quadra adversária para a finalizar e na defensiva com o retardo da ação do adversário.

Aos princípios, são acrescidos as regras de ação, relacionadas à estratégia de jogo, que é a primeira estrutura de diferenciação dos JECs, que passam a tomar seus contornos específicos de ações coletivas, dando aos jogadores pressupostos para construção da tática no contexto da imprevisibilidade do jogo. Dentro do contexto estratégico-tático, surge a necessidade de ações individuais, que tem por base habilidades gerais que vão se especializando e constituindo a técnica de cada modalidade (TANI, SANTOS e MEIRA JR., 2006) .

A partir destes conceitos está apresentado o referencial técnico-tático em relação aos JECs que fomenta nossa proposta. Entretanto, o processo de ensino, vivência e aprendizagem do esporte não deve restringir-se a estes, sendo necessário preocupar-se também em possibilitar experiências relativas aos aspectos afetivo, moral e social, sendo necessário atenção com um segundo referencial: o sócio-educativo (PAES, 2002).

Neste sentido, soma-se a colaboração de Garganta (1995), que nos apresenta dois traços tidos como fundamentais dentro da identidade e importância dos JECs – a inteligência e a cooperação – estando o primeiro relacionado à capacidade de lidar com o imprevisível a partir da inteligência de jogo e o segundo a condição de fazê-lo com co-operação com companheiros de equipe. Balbino (2001) contribui com a perspectiva de se considerar as múltiplas competências relacionadas com a inteligência, pontuando que os JECs favorem, em sua prática, o estímulo às múltiplas competências propostos por Gardner (1994), sendo estas a corporal cinestésica, lógico-matemática, espacial, verbal-linguística, musical, interpessoal, intrapessoal e naturalista.

Observa-se que tão importante quanto as possibilidades de desenvolvimento motor pelo esporte, reforça-se seu caráter cognitivo; mais que isso, hoje se observa na prática esportiva e, em especial, dos JECs, um ambiente promotor do desenvolvimento afetivo e social, justamente pela necessidade de cooperação que tais modalidades carregam.

Apesar dos conceitos acima apresentados não serem recentes, sua aplicação na construção de currículos de Educação Física e na aplicação de aulas no ambiente formal ou não formal ainda é tímida, talvez pela dificuldade de professores e técnicos em visualizar a organização e sistematização desta perspectiva para a prática, visto que o paradigma da diferenciação em modalidades é o mais comum. Neste sentido, é necessário buscarmos facilitadores deste processo, sendo apresentado neste estudo um a seqüência didática como alternativa.

Os Conteúdos dos JECs em Seqüência Didática

A organização dos conteúdos está entre as tarefas relacionadas ao professor ao mediar um processo pedagógico de ensino, vivência e aprendizagem no esporte na perspectiva de formação integral do aluno, como sinaliza Galatti (2006):

(…) à Pedagogia do Esporte, quando no trato com modalidades coletivas, cabe organizar, sistematizar, aplicar e avaliar procedimentos pedagógicos a fim de formar jogadores inteligentes, ou seja, capazes de lidar com os problemas do jogo; e cooperativos, assim como exige um jogo esportivo coletivo, estimulando ainda a transcendência dos conteúdos e atitudes tomadas da quadra para além desta, através de um processo educacional para e pelo o esporte. (GALATTI, 2006, p.36)

Considerando a variedade de temas que os JECs permitem abordar – tais quais invariantes, princípios operacionais, aspectos técnicos, táticos, valores de comportamento, histórico e regras – e buscando organizá-los em um processo de ensino, vivência e aprendizagem, selecionamos como método para tal o modelo de seqüência didática (SD) apresentada no esquema que se segue, desenvolvido por Dolz, Noverraz & Schneuwly (2004):

Figura 1 – Esquema de Seqüência Didática. (Dolz, Noverraz & Schneuwly, 2004, p.98)

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 9

A apresentação da situação é o momento no qual o objeto de ensino principal – neste estudo, o fenômeno esporte – é apresentado aos alunos, sendo que, a partir daquele, estes deverão cumprir uma primeira atividade, que será a produção inicial. “Esta etapa permite ao professor avaliar as capacidades já adquiridas e ajustar as atividades e exercícios previstos na seqüência às possibilidades e dificuldades reais de uma turma”. (Dolz, Noverraz & Schneuwly, 2004, p.99)

A seguir, são desenvolvidos os módulos de conhecimento, os quais vão apresentando de forma seqüencial o objeto de estudo, em nosso caso os JECs, sendo potencializados determinados conteúdos, que podem ser alterados ao longo das aulas de acordo com a mediação do professor.

A produção final, por sua vez, é o momento em que “o aluno pode pôr em prática os conhecimentos adquiridos e, com o professor, medir os progressos alcançados. A produção final serve, também, para uma avaliação de tipo somativo, que incidirá sobre os aspectos trabalhados durante a seqüência”. (Dolz, Noverraz & Schneuwly, 2004, p.99)

Inicialmente desenvolvido para professores da área de lingüística, aplicamos o modelo de seqüência didática aos JECs, como uma proposta para organizar currículos e programas esportivos em JECs, conforme quadro a seguir. Distribuímos os conteúdos de ensino considerando os referenciais técnico-táticos e sócio-educativos, tendo por base a perspectiva multi modalidades, sem deixar, no entanto, de considerar e apresentar conhecimentos básicos referentes a modalidades específicas de JECs. Trata-se de um exemplo, não de um modelo, podendo ser modificado de forma continuada ao longo dos vários ciclos escolares.

Quadro 1 – Módulos, Temas e Elementos de Apoio do Livro Didático em Jogos Esportivos Coletivos (GALATTI, 2006)

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 9

Vale destacar que este quadro é um direcionador possível, não sendo capaz de abranger todas as possibilidades de trato com o esporte e nem mesmo com os JECs, corroborando com Rojo (1999, p.7), para quem, em relação à seleção dos conteúdos e atividades e a delimitação de objetivos do ensino, afirma que (…) a seleção dos objetivos de ensino e a elaboração do projeto de ensino-aprendizagem estão submetidos a uma dupla determinação: a das possibilidades e a das necessidades de aprendizagem. Ressaltamos, assim, que a proposta parte de possibilidades, adequadas ou que precisarão ser ampliadas para as possibilidades dos diferentes contextos em que possam ser aplicadas.

O Livro Didático como Recurso Didático nas Aulas de Educação Física

Sendo o esporte um dos maiores fenômenos sócio-culturais da contemporaneidade, mostra-se relevante sua prática e reflexão na educação formal. Paes (2001) aponta a importância da escola na democratização do acesso ao esporte, desde que sistematizado como um conteúdo da Educação Física. O autor afirma que as discussões e avanços acadêmicos têm sido intensos na área da educação física escolar, ficando, entretanto, distantes do cotidiano do professor que atua na escola. Neste sentido, após apresentar uma proposta de sistematização das aulas de JECs a partir de módulos, acrescentamos o livro didático como um recurso agregado que pode otimizar a transição deste conhecimento desenvolvido academicamente para a prática pedagógica.

O estudo dos JECs acompanhado de um livro didático permite ao aluno ter contato, de forma mais sistematizada, com a história e evolução do esporte enquanto fenômeno, uma vez que se propões a contemplação dos referenciais técnico-tático e sócio-educativo. Pode ter acesso às regras a partir de uma linguagem mais adequada, diferente daquela utilizada nos livros de regras oficiais das federações e confederações esportivas; pode conhecer os fundamentos, ou seja, diferentes possibilidades técnicas, mas sem desvinculá-los da tática, das estratégias de jogo, já que consideramos os fundamentos como meio para se resolver os problemas propostos pelo jogo, portanto, incluídos no jogo e não maiores que este. Em uma linguagem adequada ao público infato-juvenil, o LD pode, ainda, otimizar as possibilidades educacionais do esporte, sugerindo reflexões acerca de situação hipotéticas ou fatos reais do mundo esportivo.

Assim, mais do que ensinar o esporte, o LD pode contribuir para que o aluno o compreenda, através de leituras e atividades didáticas a serem realizadas durante ou após a aula, com ou sem o acompanhamento do professor, mas sempre mediado por este, uma vez que sua formação profissional e autonomia permitem potencializar este material e até mesmo acrescentar novos temas e abordagens.

Considerações Finais:

A proposta deste estudo tem por objetivo ampliar as possibilidades pedagógicas e didáticas para a organização e sistematização dos conteúdos de ensino, vivência e aprendizagem dos JECs, sobretudo no contexto da educação formal, tendo como suporte a estrutura de seqüência didática. Por fim, apresentamos o livro didático como um recurso agregado para enriquecer – e não substituir – a prática.

Por fim, cabe ressaltar que não se pretende apresentar uma seqüência didática correta: a exposta aqui é um exemplo, não um modelo. Ademais, ao sinalizarmos para o LD como recurso didático a ser incrementado, não pretendemos que este padronize procedimentos pedagógicos para o processo de ensino, vivência e aprendizagem de JECs; ao contrário, o LD aqui proposto deve ser agregado aos procedimentos que o professor já aplica, de acordo com a instituição a que este se vincula. Neste aspecto, ganha valor a formação do professor, que deve ter um planejamento sólido ao qual o LD será agregado, não sendo o LD o próprio planejamento.

 

Referências Bibliográficas:

  • BALBINO, H. F. (2001) Jogos desportivos coletivos e os estímulos das inteligências múltiplas: bases para uma proposta em pedagogia do esporte. 142f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
  • BAYER, C. (1994) O Ensino dos Desportos Coletivos. Paris: Editions Vigot
  • Dolz, J.; M. Noverraz & B. Schneuwly (2004) Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. En: R. H. R. Rojo & G. S. Cordeiro (orgs, trads) Gêneros Orais e Escritos na Escola: Tradução de trabalhos de Bernard Schneuwly, Joaquim Dolz & colaboradores (95-128). Campinas: Mercado de Letras.
  • Ferreira, H.B.; Galatti, L.R.; Paes, R.R. Pedagogia do Esporte: considerações pedagógicas e metodológicas no processo de ensino e aprendizagem do basquetebol. En: PAES, R.R.; BALBINO, H.F; Pedagogia do Esporte: contextos e perspectivas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
  • GALATTI, L.R. ( 2006) Pedagogia do Esporte: o livro didático como um mediador no processo de ensino e aprendizagem de jogos esportivos coletivos. 139f. Dissertação (Mestrado em Educação Física)-Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.
  • GARDNER, H. (1994). Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.
  • GARGANTA, J. (1995) Para uma teoria dos jogos desportivos coletivos. En: GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. (Eds.). O ensino dos jogos desportivos coletivos (11-25). 2. ed. Lisboa: Universidade do Porto.
  • PAES, R. R (2001) Educação física escolar: o esporte como conteúdo pedagógico do ensino fundamental. Canoas: Ed. Ulbra.
  • PAES, R.R. (2002) A pedagogia do esporte e os jogos coletivos. En: Rose Jr. Esporte e atividade física na infância e adolescência (89-98). São Paulo: Artmed.
  • Rojo, R. H. R (1999) Praticando os PCNs: dos Parâmetros Curriculares Nacionais à Prática de Sala de Aula. 9º InPLA – Intercâmbio de Pesquisas em Lingüística Aplicada – LAEL/PUC-SP 01/05/1999 (en papel).
  • TANI G.; SANTOS, S.; e MEIRA JR. C. M.; (2006) O ensino da técnica e a aquisição de habilidades motoras no desporto. In: TANI, G.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. S. Pedagogia do Desporto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 227-240.

Responder

Otras colaboraciones