800 007 970 (Gratuito para españa)
658 598 996
·WhatsApp·

29 mar 2007

Motor behaviour in people with autism spectrum disorders

/
Enviado por
/
Comentarios0
/
Etiquetas,
The autism spectrum disorder is a global developmental disorder, identified in DSM – IV (PsiqueWeb, 1994) and ICD 10 (World Health Organization, 2006) by the triad of Lorna Wing: disorders in communication, personal interaction and imagination.

Autor(es):Natália Correia, Maria Adília Silva, Maria Olga Vasconcelos
Entidades(es): Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
Congreso: III Congreso Nacional Ciencias del Deporte
Pontevedra- 29-31 de Marzo de 2007
ISBN: 84-978-84-611-6031-0
Palabras claves: Hand preference, Motor Coordination, Autism Spectrum Disorders.

Resumo in people with autism spectrum disorders

The autism spectrum disorder is a global developmental disorder, identified in DSM – IV (PsiqueWeb, 1994) and ICD 10 (World Health Organization, 2006) by the triad of Lorna Wing: disorders in communication, personal interaction and imagination. Since the first descriptions of individuals with autism spectrum disorder, starting with Leo Kanner in 1943 and Hans Asperger in 1944, that have appeared stories of disturbance of the march and the motor coordination, especially the fine one (Wing and Gould, 1979). Throughout the time the authors (Kanner, 1943; Asperger, 1944; Leboyer, 1987; Ozonoff et al., 2003; Adams et al., 2004; Milne et al., 2006) have verified that the population with autism spectrum disorder presents inferior levels of motor coordination when compared with the normal population, especially in the general coordination, as well as superior levels of left hand preference.

Podemos afirmar que as alterações na área motora não são características exclusivas das Perturbações do Espectro do Autismo (PEA), no entanto, a prevalência das mesmas nos diagnósticos de PEA é elevada. Dawson e Watling (2000) sugerem que as alterações na área motora são uma das comorbilidades mais frequentes neste tipo de patologia. Estas alterações motoras ficam frequentemente de parte, isto é, não são usadas como critério durante o diagnóstico, o que pode levar a diagnósticos errados, ou casos que permanecem sem diagnóstico por falta de critérios (Gillberg e Billstedt, 2000). No entanto, sabemos que os relatos dos pais acerca dos seus filhos durante os primeiros anos de vida prendem-se muito com as descrições do comportamento motor dos mesmos, ao qual se referem como sendo “anormal” (Teitelbaum et al., 1998; Trevarthen e Daniel, 2005). Baranek (1999) e Dawsnon et al. (2000) sugerem que se fossem utilizados indicadores sociais e indicadores na área motora da criança poderíamos estabelecer diagnósticos cada vez mais precoces. As perturbações na área motora das crianças com PEA traduzem-se frequentemente por alterações: na marcha; na coordenação motora geral e fina; na coordenação óculo manual e óculo pedal; no equilíbrio, nomeadamente o dinâmico; na coordenação dinâmica geral e nos padrões de lateralidade (Correia, 2006). Deste modo, o desenvolvimento motor da criança ocorre de forma irregular, com movimentos estereotipados e com alteração nos padrões do deitar, sentar, gatinhar e andar (Baranek, 1999). Desde Kanner (1943), que descrevia as crianças com PEA como tendo perturbação na marcha, e Asperger (1944), que dizia que a perturbação ocorria ao nível da motricidade fina, especialmente na escrita, que vários são os autores a referir algum tipo de alteração motora apresentada por pessoas com PEA. Leboyer (1987), afirma que as pessoas com PEA apresentam estereotipias motoras. Ozonoff et al. (2003), Adams et al. (2004) e Milne et al. (2006), referem que as perturbações ocorrem quer nas capacidades motoras gerais, quer nas finas. Alguns autores afirmam que, dentro do espectro do autismo, existe homogeneidade nas características motoras de todos os indivíduos, considerando que as pessoas com Síndrome de Asperger (SA) e as pessoas com Perturbação Autista (PA) têm um comprometimento motor muito semelhante, não existindo problemas numa área específica mas sim em termos globais, afectando quer as capacidades motoras gerais quer as finas (Manjiviona e Prior, 1995; Beversdorf et al., 2001; Noterdaeme et al., 2002; Milne et al., 2006) Por outro lado, Ghaziuddin e Butler (1998), Rinehart et al. (2001), Rinehart et al. (2006) consideram que as pessoas com SA e as pessoas com PA têm um comprometimento motor diferenciado. Miyahara et al. (1997), quando falam em SA, afirmam que as pessoas apresentam uma descoordenação motora geral (clumsiness), enquanto que Rinehart et al. (2006) afirmam que as pessoas com PA apresentam uma estabilidade postural anormal. Correia (2006) realizou um estudo onde comparou um grupo de 65 pessoas com PEA com um grupo de controlo composto por 65 pessoas ditas normais, entre os 16 e os 46 anos, ao nível do equilíbrio dinâmico (Eq. din.), da coordenação dinâmica geral (CoDiGer) e da coordenação óculo manual (COM) e pedal (COP) (Quadro 1). Teve como objectivo determinar os padrões de preferência manual e os níveis de coordenação motora em populações com perturbações do espectro do autismo, tendo em consideração o sexo, a idade e a preferência manual.

Quadro nº 1 – Coordenação motora.

Quadro nº 1 – Coordenação motora




Ao observarmos o quadro podemos verificar que as diferenças foram todas estatisticamente significativas, para p ? 0,05, em todas as comparações estabelecidas, mostrando que as alterações motoras incidem neste tipo de população de uma forma global. No entanto, ao analisarmos o valor de z, podemos constatar que as maiores diferenças encontram-se ao nível da coordenação motora geral. Quando falamos de lateralidade Aram et al. (1988), McManus et al. (1992) e Bradshaw et al. (1996) afirmam que a preferência manual esquerda tem uma incidência maior nas pessoas com PEA (cerca de 18%), do que na população em geral (cerca de 10%). McManus e Cornish (1997), Cornish et al. (1997) e Hauck e Dewey (2001) sugerem que 36% das pessoas com PEA têm uma preferência manual ambígua. Relativamente às causas deste aumento da incidência da preferência manual esquerda e ambígua, Bradshaw et al. (1996) apontam que se deve à deficiência mental associada às PEA, enquanto que Cornish et al. (1997) sugerem que se deve a uma falha no mecanismo genético das pessoas com PEA. Por outro lado Hauck e Dewey (2001) afirmam que não se deve nem ao baixo nível cognitivo, nem à falta de desenvolvimento das capacidades motoras, mas sim a uma disfunção bilateral do cérebro. As pessoas com PEA, apesar de poderem evidenciar uma mão preferida, esta nem sempre é a mais proficiente (McManus et al., 1992; Cornish e McManus, 1996). Ou seja, as pessoas com PEA nem sempre usam a sua melhor mão para a execução de uma tarefa. Correia (2006), no seu estudo anteriormente citado também comparou o grupo de pessoas com PEA com o grupo de controlo composto por pessoas ditas normais, ao nível da lateralidade (Quadro 2).

Quadro nº 2 – Lateralidade.

Quadro nº 2 – Lateralidade




Através da leitura do quadro podemos verificar que, quer no sexo masculino, quer no sexo feminino, ao falar de preferência manual e pedal, são os indivíduos com PEA a apresentarem maiores índices de preferência esquerda. Em conclusão, e pelo exposto, evidenciamos a importância da Actividade Física para pessoas com necessidades especiais, especialmente com PEA, com o principal objectivo de melhorar a sua qualidade de vida.

Bibliografía

  • Aram, D.; Best, C.; Betz, J.; Brumback, R.; Bryden, M.; Carlson, D.; Davidson, R.; Dawson, G.; Denenberg, V.; Fisk, J.; Fox, N.; Gibson, C.; Gordon, H.; Harris, L.; Hiscoc, M.; Kershner, J.; Kigar, D.; Kinsbourne, M.; Liederman, J.; Molfese, D.; Netley, C.; Obrzut, J.; Orsini, D.; Rourke, B.; Rovet, J.; Satz, P.; Segalowitz, S.; Soper, H.; Turkewitz, G.; Witelson, S.; Whitaker, H. (1988). Brain Lateralization in Children: Developmental Implications. New York: The Guilford Press.
  • Adams, J.; Edelson, S.; Grandin, T.; Rimland, B. 2004. Advice for Parents of Young
  • Autistic Children [Em linha]: Spring (2004). [Consult. 31 Jun. 2005]. Disponível em WWW: <URL: http://www.autism.org/adviceforparents.pdf>.
  • Asperger, H. (1944). Die ‘aunstisehen Psychopathen’ im Kindesalter. Archiv fur psychiatrie und Nervenkrankheiten, Vol. 117, 76 – 136.
  • Baranek, G. (1999). Autism During Infancy: A Retrospective Video Analysis of Sensory-Motor and Social Behaviors at 9 – 12 Months of Age. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 29, N. º 3, 213 – 224.
  • Baranek, G. (2002). Efficacy of Sensory and Motor Interventions for Children with Autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 32, N. º 5, 397 – 422.
  • Beversdorf, D.; Anderson, J.; Manning, S.; Anderson, S.; Nodgren, R.; Felopulos, G.; Bauman, M. (2001). Brief Report: Macrographia in High – Functioning Adults with Autism Spectrum Disorder. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 31, Nº 1, 97 – 101.
  • Bradshaw, J.; Bryden, M. P.; Bulman-Fleming, M.; Carson, R.; Chua, R.; Coren, S.; Dewey, D.; Elliot, D.; Ferrand, T.; Guiard, Y.; Mc Donald, V.; Peters, M.; Rogers, L.; Roy, E.; Steenhuis, R. (1996). Manual Asymmetries in Motor Performance. USA: CRC Press.
  • Cornish, K. M.; McManus, I. C. (1996). Hand Preference and Hand Skill in Children with Autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 20, Nº 6, 597 – 609.
  • Cornish, K. M.; Pigram, J.; Shaw, K. (1997). Do Anomalies of Handedness Exist in Children With Fragile-X Syndrome? Laterality, Vol. 2, Nº 2, 91 – 101.
  • Correia, N. (2006). Estudo Exploratório dos Níveis de Coordenação Motora em Indivíduos com Perturbações do Espectro do Autismo. Dissertação para provas de Mestrado em Actividade Física Adaptada. FADEUP, Edição do Autor.
  • Dawson, G.; Osterling, J.; Meltzoff, A.; Kuhl, P. (2000). Case Study of the Development of an Infant with Autism from Birth to Two Years of Age. Journal of Applied Developmental Psychology, Vol. 21, Nº 3, 299 – 313.
  • Dawson, G.; Watling, R. (2000). Interventions to Facilitate Auditory, Visual, and Motor Integration in Autism: A Review of the Evidence. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 30, Nº 5, 415 – 421.
  • Ghaziuddin, M.; Butler, E. (1998). Clumsiness in autism and asperger syndrome: further report. Journal Intellectual Disability Research, Vol. 42, part I, 43 – 48.
  • Gillberg, C.; Billstedt, E. (2000). Autism and Asperger syndrome: coexistence with other clinical disorders. Acta Psuchiatrica Scandinavica, Vol. 102, 321 – 330.
  • Hauck, J.; Dewey, D. (2001). Hand Preference and Motor Functioning in Children with Autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 31, Nº 3, 265 – 277.
  • Kanner, L. (1943). Autistic disturbances of affective contact. Nervous Child, Vol. 2, 217 – 250.
  • Leboyer, M. (1987). Autismo Infantil: Fatos e Modelos. Campinas: Papiros Editora.
  • Manjiviona, J.; Prior, M. (1995). Comparation of Asperger Syndrome and High- Functioning Autistic Children on a Test of Motor Impairment. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 25, Nº 1, 23 – 39.
  • McManus, I. C.; Cornish, K. M. (1997). Commentary Fractionating Handedness in Mental Retardation: What is the Role of the Cerebellum? Laterality, Vol. 2, Nº 2, 81 – 90.
  • McManus, I. C.; Murray, B.; Doyle, K.; Baren-Cohen, S. (1992). Handedness in Childhood Autism Shows a Dissociation of Skill and Preference. Cortex, Vol. 28, 373 – 381.
  • Milne, E.; White, S.; Campbell, R.; Swettenham, J.; Hansen, P.; Ramus, F. (2006). Motion and Form Coherence Detection in Autistic Spectrum Disorder: Relationship to Motor Control and 2:4 Digit Ratio. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 36, Nº 2, 225 – 237.
  • Miyahara, M.; Tsujii, M.; Hori, M.; Nakanishi, K.; Kageyama, H.; Sugiyama, T. (1997). Brief Report: Motor Incoordination in Children with Asperger Syndrome and Learning Disabilities. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 27, Nº 5, 595 – 603.
  • Noterdaeme, M.; Mildenberger, K.; Minow, F.; Amorosa, H. (2002). Evaluation of neuromotor deficits in children with autism and children with a specific speech and language disorder. European Child & Adolescent Psychiatry, Vol. 11, 219 – 225.
  • Ozonoff, S.; Rogers, S.; Hedren, R. (2003). Perturbações do Espectro do Autismo: Perspectivas da Investigação Actual. Lisboa: Climepsi Editores.
  • PsiqueWeb. – F84.0 – 299.00 [Em linha]: Transtorno Autista DSM IV. s.d. [Consult. 17 Fev. 2005]. Disponível em WWW: <URL: http://www.psiqweb.med.br/dsm/dsm.html>.
  • Rinehart, N.; Bradshaw, J.; Brereton, A.; Tonge, B. (2002). Lateralization in Individuals with High-Functioning Autism and Asperger’s Disorder: A Frontostriatal Model. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 32, Nº4, 321 – 332.
  • Rinehart, N.; Bellgrove, M.; Tonge, B.; Brereton, A.; Howells-Rankin, D.; Bradshaw, J.; (2006). An Examination of Movement Kinematics in Yong People with High-functioning Autism and Asperger’s Disorder: Further Evidence for a Motor Planning Deficit. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 36, 757 – 767.
  • Teitelbaum, P.; Teitelbaum, O.; Nye, J.; Fryman, J.; Maurer, R. G. (1998). Movement analysis in infancy may be useful for early diagnosis of autism. Proc. Natl. Acad. Sci. USA, Vol. 95, 13982 – 13987.
  • Treverthen, C.; Daniel, S. (2005). Disorganized rhythm and synchrony: Early signs of autism and Rett syndrome. Official Journal of the Japanese Society of Child Neurology, Vol. 27, S25 – S34.
  • Wing, L.; Gould, J. (1979). Severe impairments of social interaction and associated abnormalities in children: epidemiology and classification. Journal of Autism and Developmental Disorders, Vol. 9, 11 – 29.
  • World Health Organization – Chapter V [Em linha]: Mental and behavioral disorders (F00-F99): Disorders of physiological development. 2006 [Consult. 24 Jul. 2006]. Disponível em WWW: <URL: http://www3.who.int/icd/currentversion/fr-icd.htm>.

Responder

Otras colaboraciones