800 007 970 (Gratuito para españa)
658 598 996
·WhatsApp·

17 may 2012

Estudio de diagnóstico de la capacidad para el equilibrio de los niños de 4 a 5 años en el nivel de educación infantil

/
Enviado por
/
Comentarios0
/
Etiquetas

Completa la información

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº21.

¡Consíguelo aquí!

El equilibrio es una de las habilidades fundamentales para la participación de las actividades establecidas en la edad escolar, es importante para estudiar la capacidad de equilibrar el niño asimila la actividad motora de esa habilidad. Análisis de equilibrio para los niños en medio de la escuela puede evitar futuros déficit y el deterioro en sus funciones motoras.
Autor(es): Layane Castiglioni Tasca; Caroline Broch; Ana Paula de Souza Pereira; Vanildo Rodrigues Pereira ;
Entidades(es): Universidade Estadual de Maringá
Congreso: IVCongreso Internacional de Ciencias del Deporte y la Educación Física. (VIII Seminario Nacional de Nutrición, Medicina y Rendimiento Deportivo)
Pontevedra, España, 10-12 Mayo 2012
ISBN: 978-84-939424-2-7
Palabras Clave: equilibrio; niños; escuela

Estudio de diagnóstico de la capacidad para el equilibrio de los niños de 4 a 5 años en el nivel de educación infantil

  RESUMEN COMUNICACIÓN/PÓSTER El equilibrio es una de las habilidades fundamentales para la participación de las actividades establecidas en la edad escolar, es importante para estudiar la capacidad de equilibrar el niño asimila la actividad motora de esa habilidad. Análisis de equilibrio para los niños en medio de la escuela puede evitar futuros déficit y el deterioro en sus funciones motoras. El objetivo de este estudio es investigar la capacidad de equilibrar niños de 4-5 años, se matriculó en una escuela privada y una municipal en Maringá. El universo de los niños matriculados en el nivel de educación de la primera infancia, una muestra fue extraída de aproximadamente 40 estudiantes, 19 y 21 municipales en privado, de ambos sexos con edades entre 4 a 5 años. Antes de las pruebas sobre la balanza de la escuela pública y privada había un significado a la escuela privada de la variabilidad de las actividades realizadas con estos estudiantes.  Al analizar los géneros de cada escuela, se observó que los varones tenían un mayor rendimiento que las niñas, pero cuando se analiza de manera general el género femenino fue la superación de la masculina. Es también importante observar que el retraso en el desarrollo del equilibrio y la coordinación pueden afectar la vida de un niño y causar consecuencias irreversibles en la edad adulta.   RESUMO: O equilíbrio é uma das habilidades fundamentais para envolvimento das atividades estabelecidas no inicio da idade escolar, é importante o estudo da habilidade equilíbrio para que a criança assimile sua atividade motora a essa destreza. A análise do equilíbrio em crianças na fase escolar pode prevenir meios futuros e déficit de comprometimento em suas funções motoras. O objetivo desse estudo é investigar a capacidade de equilíbrio de crianças de 4 a 5 anos, matriculadas em uma escola particular e outra municipal no município de Maringá. Do universo de crianças matriculadas no nível de educação infantil, foi extraída uma amostra de aproximadamente 40 alunos, sendo 19 da rede municipal e 21 da rede particular, de ambos os sexos com idade de 4 e 5 anos. Diante dos testes sobre equilíbrio da escola pública e particular houve uma significância para a escola particular de a variabilidade de atividades exercidas com esses alunos. Quando analisadas os gêneros de cada escola, observou-se que os meninos tiveram maior desempenho que as meninas, mas quando analisado de um modo geral o gênero feminino foi superar de o que o masculino.  É importante, também, salientar que o atraso no desenvolvimento do equilíbrio e da coordenação motora pode afetar toda a vida da criança e causar consequências irreversíveis na vida adulta. Palavra- Chave: Equilíbrio; criança; escola.   RESUMEN: El equilibrio es una de las habilidades fundamentales para la participación de las actividades establecidas en la edad escolar, es importante para estudiar la capacidad de equilibrar el niño asimila la actividad motora de esa habilidad. Análisis de equilibrio para los niños en medio de la escuela puede evitar futuros déficit y el deterioro en sus funciones motoras. El objetivo de este estudio es investigar la capacidad de equilibrar niños de 4-5 años, se matriculó en una escuela privada y una municipal en Maringá. El universo de los niños matriculados en el nivel de educación de la primera infancia, una muestra fue extraída de aproximadamente 40 estudiantes, 19 y 21 municipales en privado, de ambos sexos con edades entre 4 a 5 años. Antes de las pruebas sobre la balanza de la escuela pública y privada había un significado a la escuela privada de la variabilidad de las actividades realizadas con estos estudiantes.  Al analizar los géneros de cada escuela, se observó que los varones tenían un mayor rendimiento que las niñas, pero cuando se analiza de manera general el género femenino fue la superación de la masculina. Es también importante observar que el retraso en el desarrollo del equilibrio y la coordinación pueden afectar la vida de un niño y causar consecuencias irreversibles en la edad adulta. Palabras clave: equilibrio; niños; escuela INTRODUÇÃO De acordo com Gibson (1988), durante o desenvolvimento do indivíduo ocorrem diversas fases de marcos motores para a exploração de diferentes ambientes. Uma dessas fases é o andar, que amplia uma gama de habilidades a serem exploradas no decorrer do desenvolvimento. O aparato motor que é requisitado para essa fase envolve sistemas perceptivos, sensoriais e motores, sendo importante para o engajamento de ações, porque é a partir disso, que o corpo modula-se a diferentes habilidades e prepara-se para novas sensações (LIMA et al., 2001). Todo esse controle de ações é responsável pela manutenção do equilíbrio e do comportamento motor habilidoso (GOBBI; PATLA, 1997). O equilíbrio corporal desenvolvido facilita a execução de determinadas habilidades de controle, de tarefas e exploração do ambiente (CURY; MAGALHÃES, 2006). A possibilidade que o ambiente proporciona para as tarefas desenvolvidas da estimulação do desenvolvimento do equilíbrio em crianças são inúmeras. O equilíbrio é a manutenção do corpo para uma estabilidade corporal e muda-se de acordo com a tarefa, o ambiente e a biomecânica estabelecida (GONÇALVEZ, 1993). Nele podem ocorrer mudanças de forma dinâmica ou pode orientar-se de maneira que o corpo fique de forma estática, conforme o desejado (HORAK; MACPHERSON, 1996). Segundo Fonseca (1995) o equilíbrio é uma das primeiras habilidades de desenvolvimento para a organização psicomotora, que envolve várias adaptações de posturas para a manutenção do corpo nos movimentos habituais e dão suporte a qualquer resposta motora. Manoel (2001), afirma que a capacidade das execuções dinâmicas do equilíbrio corporal em crianças faz com que esta amplie sua relação com o meio físico e social. Muitas são as crianças com as alterações nas habilidades perceptivo motoras, incluindo o equilíbrio como uma delas, sendo que essas modificações podem inviabilizar a realização de funções básicas em seu cotidiano escolar, familiar e social. É no início da fase escolar que a criança aperfeiçoa suas habilidades motoras e acontecem as formas de combinação dos primeiros movimentos e são constantes as adaptações de movimentos ofertadas nesta fase, incluindo as de equilíbrio corporal (CAETANO et al., 2005). Pesquisas realizadas por Guardiola et al (2001), revelaram que o equilíbrio estático e dinâmico de crianças estudantes nas redes municipais e particulares de ensino estavam abaixo do esperado com relação ao desenvolvimento neuropsicomotor e seu estado nutricional. Caetano et. al (2005) demostraram que por volta dos 5 e 6 anos à criança atravessa por fases de instabilidade no desempenho de tarefas de equilíbrio e que a estimulação é importante para o avanço dessa habilidade em relação a idade motora. De acordo com Possa (2005), em uma avalição neurológica evolutiva e das funções corticais numa amostra de crianças da primeira série, composta por 24 crianças, foram encontradas 18 delas que apresentaram falhas no exame neurológico evolutivo, com déficit no ritmo, equilíbrio estático, dinâmico e persistência motora. Portanto a análise do equilíbrio em crianças na fase escolar pode prevenir meios futuros e déficit de comprometimento em suas funções motoras, em especifico o equilíbrio corporal. O objetivo desse estudo é investigar a capacidade de equilíbrio de crianças de 4 a 5 anos, matriculadas em uma escola particular e outra municipal no município de Maringá. Por conseguinte os objetivos específicos são: avaliar a capacidade de equilíbrio das crianças da amostra de ambas as escolas e comparar os resultados entre escolas e gêneros.   2  OBJETIVOS 2.1 Objetivo geral
  • Investigar a capacidade de equilíbrio de crianças de 4 a 5 anos matriculadas em uma escola particular e outra municipal no município de Maringá;
2.2 Objetivos específicos:
  • Avaliar a capacidade de equilíbrio das crianças da amostra de ambas as escolas;
  • Associar os resultados entre escolas e gêneros;
  3  METODOLOGIA 3.1 Caracterização do estudo O estudo caracteriza-se como do tipo descritivo, que conforme Gil (2002, p. 42), “tem como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre as variáveis”, sem no entanto interferir na normalidades das escolas. 3.2 População e Amostra Do universo de crianças matriculadas no nível de educação infantil, será extraída uma amostra de aproximadamente 40 alunos, sendo 19 da rede municipal e 21 da rede particular. Os critérios para a seleção da amostra serão: sujeitos matriculados em ambas as escolas e de ambos os sexos com idade de 4 e 5 anos. 3.3 Instrumentos Bateria Psicomotora Fonseca (1995) É decorrente que o equilíbrio é à base de organização das habilidades motoras, envolvendo múltiplas condições motoras para o seu desenvolvimento. Esta habilidade refere-se à resposta de inúmeras ações motoras, como: vigilante integrada, força gravitacional e movimentos de articulações que atuam permanentemente no indivíduo. O protocolo da bateria Psicomotora (BPM) elaborado por Fonseca (1995) é composto por sete fatores psicomotores: tonicidade, equilibração, lateralização, noção do corpo, estruturação espaço-temporal, praxia global e praxia fina, subdivididos em 26 sub-fatores. Em especifico a este estudo será utilizado somente o fator psicomotor de equilibração. O fator equilíbrio determina a imobilidade, o equilíbrio estático com apoio retilíneo, com pontas dos pés e com apoio num pé, o equilíbrio dinâmico, a marcha controlada, e a evolução para frente, pra trás, do lado direito, do lado esquerdo, pé cochinho esquerdo e direito, pés juntos para frente, para trás e de olhos fechados. 3.4 Tratamento dos dados Foi utilizada para a associação dos dados da escola pública e particular realizando o teste de Chi- quadrado Person (x2) para dados categóricos, verificando normalidade da estatística descritiva e inferencial para o tratamento dos dados. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisas em Seres humanos da Universidade Estadual de Maringá, com o protocolo número 0419-11. 3.5 Análise dos Dados Baseando-se no referido protocolo do teste de equilíbrio os resultados de associação da habilidade equilíbrio é apresentada na Tabela 01.   Tabela 01: Associação da habilidade equilíbrio de crianças de 4 à 5 anos de escola pública e particular. Tabela 01. Estudio de diagnóstico de la capacidad para el equilibrio de los niños de 4 a 5 años en el nivel de educación infantil

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 21

    Considerando o Chi- quadrado (x2) 11,31 e uma probabilidade de 0,001% observou-se uma associação entre a escola pública e particular entre o perfil equilíbrio. Nota-se que ao analisar os perfis Apráxico (5,3%), Dispráxico (47,4%),, Eupráxico (85,7%) e Hiperpráxico (9,5%), os maiores índices enquadram-se nos perfis Dispráxico e Eupráxico considerando crianças de quatro e cinco anos com o perfil de equilíbrio satisfatório e bom, salientando que as crianças da rede particular de ensino tem seu índice de equilíbrio Eupráxico (Bom) bem mais elevado que as crianças da rede pública de ensino, verifica-se que a associação entre as duas variáveis pode ser caracterizar ao fato que na escola particular ocorre diversas atividades físicas, como: aula de educação física, treinamento em escola de modalidades diversificadas, aula de ginástica. Assim a criança pode estabelecer vários meios motores, ao passo que na escola pública, não ocorre aulas de educação física realizada por professores da habilitação sugerida e poucas atividades extracurricular para a sua devida estimulação motora. Para CARRAZZONI et. al (2009) em pesquisa realizada com crianças de 5 a 6 anos de ambos os sexos de escolas municipais e estaduais verificou uma predominância do perfil eupráxico para o equilíbrio estático e em relação ao equilíbrio dinâmico observou- se uma prevalência dos perfis eupráxico e hiperpráxico, isso pode ser estabelecido devido as atividades motoras que essas crianças obtêm em ambas as escolas e também de sua diversidade em seu meio social. De acordo com Bueno (1998) a relação de peso e locomoção é verificada pelo balanço locomotor, o equilíbrio é o controle de toda a dinâmica global da locomoção. Quanto mais atividades motoras recebe uma criança em seu meio maiores estabilidades de perfis motores ela terá e essa estabilidade pode ser observada nas atividades que as crianças realizam nas aulas de educação física, em seu cotidiano social e familiar. De acordo com Garlet et,. al.  (2010) em uma pesquisa em três escolas do Estado do Rio Grande do sul (Estadual, particular e municipal) pode-se afirmar que para o equilíbrio dinâmico a escola municipal teve desempenho superior quando comparado às demais escolas, enquanto que para o equilíbrio estático a escola particular teve desempenho elevado. O que não reflete na pesquisa realizada, onde a escola particular obteve seu resultado superior em relação à pública na habilidade geral de equilíbrio, isso pode ser verificado pela análise de atividades que são evidenciadas nas escolas de ensino particular da região pesquisada, com muitas atividades extracurriculares, considerando um enorme aparato motor, possibilitando uma diversidade de ambiente a ser explorado pelos profissionais que atuam nessas escolas. E a partir do momento que se muda uma visão da escola para trabalhar com atividades que estimulam as habilidades motores que estabelecem as relações do meio com o ambiente, há ampliação de um mecanismo de habilidades motoras e isso pode ser verificado nos estabelecimento de atividades que sugerem esse tipo de observação, favorecendo o aluno que é o principal sujeito de análise, o professor que verifica o estimulo a ser aplicado e a escola que com projetos faz assim a melhora de um ambiente que possibilitem práticas educativas para a população que abrangem. Em relação ao perfil de equilíbrio de gênero na tabela 02 pode observa-se a associação da habilidade equilíbrio de meninos de 4 à 5 anos de escola pública e particular. Tabela 02: Associação da habilidade equilíbrio de meninos de 4 à 5 anos de escola publica e particular. Tabela 02. Estudio de diagnóstico de la capacidad para el equilibrio de los niños de 4 a 5 años en el nivel de educación infantil

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 21

      Os resultados demostram uma significância para o perfil eupráxico (bom) da escola particular para o sexo masculino (10) em relação à escola pública (2), em contrapartida na escola pública verifica-se um perfil Dispráxico (satisfatório) (7) em relação a escola particular o que verifica-se nenhum dado em relação a esse perfil. De acordo com Bessa e Pereira (2002), em uma pesquisa realizada nas escolas públicas do Rio de janeiro houve uma normalidade de dados para o equilíbrio estático havendo um melhor desempenho do sexo masculino em idade de 5 anos. Segundo Mascaretti (1999) é importante a análise de equilíbrio para crianças em idade escolar, podendo influenciar sua aprendizagem e desempenho nas atividades diárias da escola. Esse envolvimento das atividades motoras é dependente a melhora da habilidade equilíbrio, pois ocorre a dinamização de várias situações (HAYWOOD e GETCHELL, 2004, p. 219). Bessa e Pereira (2002) encontraram diferenças significativas entre o gênero masculino e feminino em pré-escolares de 4 a 6 anos de idade. O estudo comprovou que as meninas apresentam melhor desempenho na execução de atividades que desenvolvem a coordenação motora, ao contrário dos meninos que costumam ser mais hábeis nas atividades de equilíbrio. Por outro lado este fator pode não influenciar nos resultados já que estudos de Sabagg et. al. (2008) não apontaram diferença estatisticamente significativa entre os gêneros na variável do equilíbrio. Uma variável que pode influenciar os resultados de equilíbrio é a prática de alguma modalidade esportiva onde podem ou não desenvolver habilidades que estimulam o equilíbrio. Autores interessados pelo estudo do equilíbrio buscaram encontrar possíveis diferenças quanto ao desempenho do mesmo entre diferentes grupos, que praticam diferentes modalidades esportivas. Paula e Belo (2009), avaliaram a motricidade global, motricidade composta e motricidade fina, de crianças com idade entre 07 e 09 anos. Das crianças avaliadas 10 praticavam natação e 10 crianças futsal. Os autores observaram nos resultados a predominância da modalidade de natação superior as do futsal apresentando diferença significativa na motricidade fina e global. Especificamente a parte do equilíbrio as crianças que praticam natação equilibram-se em termos unipedal e dinâmicos durante mais tempo que as que praticam futsal. Todo esse relato de outras variáveis pode influenciar no equilíbrio das crianças de idade escolar, por isso, da importância da prática de alguma atividade física. Tabela 03: Associação da habilidade equilíbrio de meninas de 4 à 5 anos de escola publica e particular. Tabela 03. Estudio de diagnóstico de la capacidad para el equilibrio de los niños de 4 a 5 años en el nivel de educación infantil

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 21

      Quando analisado o perfil de equilíbrio entre as meninas da escola pública e particular não houve diferença significativa (tabela 03) para os três perfis Dispráxico, Eupráxico e Hiperpráxico. Mas quando a análise foi realizada pelo perfil da habilidade equilíbrio geral entre gênero (escola pública e particular) verificou-se (tabela 04), uma diferença significativa, prevalecendo uma determinada significância ao gênero feminino no perfil Eupráxico. Santos (2001) ao analisar o equilíbrio estático de criança percebeu-se a manutenção da postura oferecendo subsídios para atividades como andar de bicicleta, estabelecer vínculos com atividades que necessita a concentração de um ambiente calmo e tranquilo. Para Gallahue (2003) as habilidades podem ser classificadas de acordo com as tarefas estabelecidas que envolve a habilidade equilíbrio. A manutenção da postura para uma determinada meio de locomoção  abrangem as atividades motoras de equilíbrio. Tabela 04: Associação da habilidade equilíbrio de meninos e meninas de 4 à 5 anos de escola pública e particular. Tabela 04. Estudio de diagnóstico de la capacidad para el equilibrio de los niños de 4 a 5 años en el nivel de educación infantil

Contenido disponible en el CD Colección Congresos nº 21

      A análise realizada para o gênero feminino e masculino da escola pública e particular revelou determinada significância dos dados para o sexo feminino no perfil Eupráxico. De acordo com Ayyash et. al (2003) cerca de 2 à 10 % da população infantil é afetada por distúrbios da coordenação motora e equilíbrio, sendo que esse distúrbio atinge mais o sexo masculino do que o feminino. Destes, de 8 à 15%  geralmente são afetados na idade pré-escolar e cerca de 5 à 8% na idade escolar. Os autores relatam que atividades que ampliem o conhecimento e a memória motora dessas crianças facilitam a diminuição e minimização de tais desordens. Segundo Lopes e Pereira (2004) um bom trabalho de atividades físicas que ajudem no condicionamento físico de crianças de ambos os sexos, com idades de 1 à 2 anos e de 3 à 4 anos, auxilia na capacidade física, a agilidade no desenvolvimento das tarefas, a capacidade cardiorrespiratória e o desenvolvimento do equilíbrio. Os resultados obtidos nesta pesquisa são concordantes com outros estudos semelhantes que registraram diferenças entre grupos avaliados. Este é o caso de Bessa e Pereira (2002), que encontraram diferença significativa entre duas escolas da rede municipal (A e B) de diferentes municípios, no qual avaliaram o Equilíbrio dinâmico e estático e coordenação motora em 360 pré-escolares. Resultados apontaram que a Escola “A” mostrou resultados mais satisfatórios do que a Escola “B”, e esta diferença de resultados é estatisticamente significativa segundo autores da pesquisa. Diante de todo o contexto analisado as meninas devem além da prática de atividade física diária, trabalhar com outros tipos de atividades que não sejam as aulas de educação, para a obtenção de uma performance na habilidade de equilíbrio.   4 Conclusão As habilidades motoras são estimuladas no início do desenvolvimento atigindo seu marco nas habilidades motoras fundamentais, o que vai depender de um bom desenvolvimento de habilidades como o equilíbrio é a estimulação em atividades fisicas ou do cotiano no ambiente escolar. Diante dos testes sobre equilíbrio da escola pública e particular houve uma significância para a escola particular de a variabilidade de atividades exercidas com esses alunos. Quando analisadas os gêneros de cada escola, observou-se que os meninos tiveram maior desempenho que as meninas, mas quando analisado de um modo geral o gênero feminino foi superar de o que o masculino.  É importante, também, salientar que o atraso no desenvolvimento do equilíbrio e da coordenação motora pode afetar toda a vida da criança e causar consequências irreversíveis na vida adulta.   5 Referências AYYASH, H. F. PREECE, P. M. Evidence- based treatment of motor co- ordination discorder. Current Pediatricts. v. 13. p. 360-364, 2003. BESSA, Maria Fátima de Sousa.; PEREIRA, João Santos. Equilíbrio e coordenação motora em pré-escolares: um estudo comparativo. Revista Brasileira Ciências e Movimento. Brasília v. 10 n. 4 p. 57-62. Out. 2002. BUENO, J. M. Psicomotricidade: Teoria e Prática: Estimulação, Educação e reeducação psicomotora com atividades aquáticas. São Paulo: Lovise. 168 p. 1998. CAETANO, M. J. D.; SILVEIRA, C. R. A.; GOBBI, L. T. B. Desenvolvimento motor de pré-escolares no intervalo de 13 meses. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano.  n. 2, v. 7, p. p. 05-13, 2005 CARRAZZONI, Ana Paula, GOMES, Mariana, BRANDT, Lúcio André. Perfil Psicomotor de Meninos e Meninas de 5 e 6 anos no Município de Uruguaiana-RS. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras – Curso de Educação Física – PUCRS – Campus Uruguaiana.  X Salão de Iniciação Científica – PUCRS, 2009 FONSECA, V. da. Manual de Observação Psicomotora: significação  psiconeurológica dos fatores psicomotores. Porto Alegre: Artes Médicas, p. 144, 1995 GALLAHUE D, L. et al.Compreendendo o desenvolvimento Motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Editora: PHORTE. 2003. GARLET, Martinha Leila; CORAZZA, Sara Terezinha; KATZER, Juliana Izabel; LORENSI, Carla; DREWS, Ricardo.   Equilíbrio estático e dinâmico de escolares de santa maria – rs.Anais do V Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte. | UIVALI – Itajaí– SC 23 a 25 de setembro de 2010. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/congressos/index.php/vcsbce/vcsbce/schedConf/presentations. Acesso: 12/12/11. GIBSON, E. J. Exploratory behavior in the development of perceiving, acting, and the acquiring of kowledge. Annual Review of Psychology. V. 39, p. 1-14, 1988 GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002 GOBBI, L.T.B.; PATLA, A. E. Desenvolvimento da locomoção em terrenos irregulares: proposta de um modelo teórico. Em A.M. Pellegrini (Ed.). Coletânea de Estudos: Comportamento Motor 1, pp. 29-44. São Paulo: Movimento. 1997. GONÇALVES, V.M.G; PIOVESANA, A.M; MOURA, M.V. R. Avaliação do equilíbrio estático numa população de crianças deficientes auditivas. Arquivo Neuropsiquiatria. v. 3, n 51, p.p 346-51, 1993 GUARDIOLA, A., EGEWARTH, C., ROTTA, N. T.  Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor em escolares de primeira série e sua relação com o estado nutricional. Jornal de Pediatria. v. 77, n.3, 2001 HAYWOOD Kathleen.; GETCHELL, Nancy. Desenvolvimento motor ao longo da vida. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 344 p. HORAK, F.B; MACPHERSON, J.M. Postural orientation and equilibrium. In: Rowell, L.B; Shepherd, J.T. (organizadores). Handbook of physiology section 12: exercise: regulation and integration of multiple systems. New York: Oxford University, p. 255- 292, 1996 LIMA, C. B.; SECCO, C. R.; MIYASIKE, V. S.; GOBBI, L. T. B. Equilíbrio dinâmico: influência das restrições ambientais. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. v.3, n. 1, p. 83-94,  2001 LOPES, M. G. O. PEREIRA, J. S. A influência da natação sobre o equilíbrio em crianças. Fitness & Performance Jounal, v. 3. n. 4. P. 201- 206. 2004. MANOEL, E. Criança e desenvolvimento: algumas notas numa perspectiva etária. In: Krebs, RJ. Desenvolvimento Infantil em Contexto. Florianópolis: UDESC; p. 47-60, 2001 MASCARETTI, L. Saúde do Escolar: proposta para uma abordagem clínica. Pediatria Moderna. ; 4(35): 198-207. 1999. PAULA, A. E. da S.; BELO, C. Avaliação do desenvolvimento motor de alunos de natação e futsal através do teste de Bruininks. EFDeportes.com - Revista Digital Buenos Aires. Nº 133, 2009. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd133/avaliacao-atraves-do-teste-de-bruininks.htm>. Acesso em: 12 dez. 2011. REBELATTO, j. R.; CASTRO, A. P. de, SAKO, F. K.; AURICHIO, T. R. Equilíbrio estático e dinâmico em indivíduos senescentes e o índice de massa corporal. Revista Fisioterapia em Movimento. n. 3. v. 21. p.p. 69-75. Jul/Set. 2008 SABAGG, S; CARDOSO, F.L.; SILVEIRA, R.A ; COSTA,T.P. O desenvolvimento motor de escolares. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. Disponível em: <http://www.fazendogenero8.ufsc.br/sts/ST53/Sabagg-Cardoso-Silveira-costa_53.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2011. SANTOS, Rosângela Pires dos. Psicomotricidade. São Paulo: Editora, 2001.

Responder

Otras colaboraciones